Brother ScanNCut

A máquina que molda a sua criatividade.

0
0
15 fev 2021

Cuidado com o monstro da precificação!

Você tem aquela sensação de trabalhar, trabalhar e trabalhar, mas nunca ver o dinheiro aparecer? O pouco que entra não dá nem para pagar os custos do seu dia a dia… Se você se identificou com esse cenário, saiba que o erro pode estar na precificação dos seus produtos! Mas calma, não se desespere! Vamos pontuar tudo o que deve ser contabilizado, tim-tim por tim-tim, para você avaliar se não está tomando prejuízo! E se estiver, vamos exterminar esse monstro que deve estar acabando com as suas noites de sono!

• Dê olho na concorrência!

Muitos artesãos equiparam os preços de seus produtos de acordo com os do concorrente! Há aqueles então que até colocam o valor abaixo para não perder a clientela! Se você faz isso, pare imediatamente!

Antes de mais nada, é preciso avaliar: “Será que sua concorrência usa a mesma qualidade de produtos do que você?”; ou “Será que ela tem a mesma técnica qualificada do que a sua?”. O produto artesanal é único! O valor dele não está somente nos produtos e no tempo que gastou para desenvolvê-lo, mas, também, em todos os cursos que realizou, todas as feiras que visitou, toda embalagem que idealizou e tantos outros fatores para deixá-lo simplesmente especial!

• Então, o que contabilizar?

Para que uma precificação seja correta, é preciso calcular todos os custos fixos e variáveis!

Custos fixos: referem-se às despesas mensais do seu ateliê, como aluguel, condomínio, luz, água, telefone, internet e divulgação. Aqui também são contabilizados os custos com funcionários, caso você tenha. Por fim, não se esqueça dos impostos!

Atenção: mesmo que seu ateliê funcione dentro de sua casa, em um cantinho da sala ou em um cômodo específico, você precisa calcular uma porcentagem sobre todos os custos relacionados acima. É indicado calcular de 10% a 20% sobre cada custo fixo de sua residência para o ateliê. Esse cálculo será dividido pela quantidade de peças confeccionadas por mês em seu negócio.

Exemplo: se a soma dos seus custos fixos ficou em R$ 200, e você produz 20 peças ao mês, você deverá dividir R$ 200 por 20. Logo, seu custo fixo por projeto será de R$ 10.

Custos variáveis: são todos os custos específicos de um determinado projeto, tais como papéis, cola, aviamentos… Ah, não se esqueça de somar as despesas com a embalagem. Nem que tenha usado um botãozinho que estava perdido na gaveta, este deve ser contabilizado!

• Custos levantados, o que fazer agora?

Levantou todos os custos? Então, sobre os custos variáveis, some de 200% a 300%. O que será essa porcentagem? Todo o conhecimento que possui! Avalie sua técnica e o poder aquisitivo do seu público-alvo. Aqui, será o seu lucro, o valor da sua mão de obra!

Clique na imagem para fazer download.

Lembre-se: calcular o valor de um projeto pode ser um tantinho demorado, mas, acredite, é muito melhor ter esse trabalho inicial do que ter prejuízo no fechamento do mês! Além disso, fazendo a precificação correta, você vai sentir que seu trabalho terá o devido valor que merece! 

0


Comentários 0

Escreva um comentário


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Mostrar todos